terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Desordem Mascarada

Quando as atividades aumentam é que notamos o quanto algumas empresas são desorganizadas, pois não fazem as suas atividades com a mesma uniformidade e conseguem colocar no chão toda a reputação que antes existia. Isso geralmente acontece quando as vendas aumentam, seja por um período festivo ou por motivos diversos que impulsionam as vendas e que fazem com que a empresa tenha que rever as suas atividades para continuar prestando um serviço de qualidade e que atenda aos princípios básicos da satisfação.
Fiquei pensando nisso quando visitei um shopping aqui no Recife no período natalino e como a desordem era generalizada nas lojas que não tinham uma capacidade de atender dignamente os seus clientes num período de maior volume de vendas. Como vendem muito nesta época, terminam não cativando as pessoas e deixando que o cliente busque as suas próprias soluções, algo que não ocorre em outros momentos de menor movimento, onde a palavra de ordem é atender bem e buscar suprir o cliente com o que ele precisa.
A desgraça é ainda maior quando compramos pela internet, pois os prazos de entrega são alongados e não cumprem o que prometem, deixando muitas opções de presente comprometidas e sem a devida efetivação na data certa. É um momento conturbado e que nos leva a crer que a crise é bem diferente do que imaginamos, pois se há tanta demanda por compras, há dinheiro circulando e pessoas com capacidade de compra. Precisa haver uma adaptação das atividades para que tudo esteja em ordem, sempre, e não somente em dias de pouco movimento, onde a busca de um cliente se torna quase um troféu nas mãos dos ávidos vendedores que precisam completar as suas metas de vendas.
Nos meses de maior movimento, a meta é não atender bem, não dar atenção e ter lucro mesmo assim, já que nós, consumidores, compramos do mesmo jeito, muitas vezes por necessidade, mas algumas vezes para satisfazer o desejo de consumo criado pelo comércio e pelas festas que já conhecemos tão bem.
Seria tão bom que ninguém levasse em consideração os períodos festivos, pois assim geraríamos uma crescente e obrigatória motivação das empresas para melhorarem as suas estratégias para atender melhor e conseguir suprir os clientes em todas as épocas do ano, sem enganação e desfalques nos atendimentos e compras.
Sem contar que nestas épocas os preços aumentam e muito, se comparados a outros meses do ano. Aumentam só porque é Natal, só porque querem, para acabar de vez com a paciência do consumidor.
Aqui estou eu, ainda esperando uma compra que fiz pela internet no início de dezembro...
O prazo era para antes do Natal, mas não informaram de que ano era. Talvez seja o Natal de 2016, não é?
Quem sabe...
Eu não sei e tenho que me contentar com as desculpas esfarrapadas das centrais de atendimento ao consumidor que possuem um discurso padronizado e que nem sempre nos dá respostas concretas do que desejamos. 
E vamos comprando, mais e mais...

0 comentários:

Postar um comentário