sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Ofensa

No meu tempo, somente carne de porco ofendia...
Hoje em dia tudo gera ofensa e descontentamento e faz com que as pessoas criem as mais impossíveis situações para se defenderem de um ato que nem existe e termina sendo idealizado pelo pensamento das pessoas que possuem baixa auto estima e por isso vivem se ofendendo por tudo, seja porque são gays, lésbicas, negros, aleijados, feios, gordos, sapecados, magros e tudo mais que existir.
As denominações agora são outras e o negro passou a ser chamado de afrodescendente, enquanto o aleijado é uma pessoa com necessidades especiais. Nada contra e respeito tudo e todos, mas não posso deixar de falar sobre as besteiras que os grupos sociais criam para se defenderem de ações inertes e que não afetam nada. O que fazem só servem para criar polêmica social e abrir espaço para as idiotices que o ser humano aprende a criar.
Tantas coisas melhores para se preocupar e o homem ainda fica pensando em ações que não engrandecem, não criam direitos e não trazem nenhum merecimento. Muitas pessoas e grupos buscam direitos, mas esquecem que o respeito também deve ser dado por eles, sendo este o ponto inicial de um processo longo e que faz a sociedade evoluir aos poucos. Respeito aqueles que se dão ao respeito e cobram isso da maneira correta e certeira e não com polêmicas.
Falar da boca para fora que não discrimina ninguém e que respeita as desigualdades é uma coisa, mas algo bem diferente é fazer cumprir o que realmente é dito e respeitar verdadeiramente as pessoas que estão ao nosso redor.
Todos devem se dar ao respeito e não vai ser impondo ações que iremos ter direitos igualitários e sermos vistos sempre como iguais. A sociedade é desigual e isso nunca vai mudar, pois sempre existirá o mais rico, o mais pobre, o feio, o bonito, o barriga de tanquinho e o bucho de lama. Tudo é uma questão de ótica e mesmo que não falemos na frente do nosso amiguinho gay que ele é pintoso, falaremos nas costas ou quem sabe olhando desencontrado por alguma quebradinha de mão que ele deu em algum momento. Nesse momento a nossa capacidade de igualdade foi por água abaixo. Onde ficou o respeito às pessoas como elas realmente são?
Muito mais fácil para todos nós é ter uma amiga lésbica feminina do que uma que pareça um caminhoneiro e seja logo notada em qualquer roda de amigos. Poucos são so que não ligam para isso e basta ter uma amiga meio doidinha para que ela seja preterida nas festinhas da turma que adora apelidar os menos favorecidos ou que apresentam algum detalhe fora do padrão.
Ofensa para mim é ter que aguentar as imposições, as babaquices e besteiras de quem não tem o que fazer e fica criando protestos pela cidade para mostrar a sua total falta de capacidade de gerir a sua própria vergonha na cara.
Como posso pedir respeito se na verdade o que mostro é uma bunda na cara dos outros ou um peito caído pela vergonha?
Vamos pensar e distinguir o significado das palavras, pois respeito é bem diferente de anarquia e não podemos misturar palavras tão distintas por tão pouco, ocasionando tantas situações evitáveis dentro de uma sociedade já tão banalizada como a nossa.

0 comentários:

Postar um comentário