sábado, 6 de abril de 2013

O Brilho das Ruas

Há de tudo no comércio informal e sempre há uma maneira de ganhar algum dinheiro, ainda mais quando o desemprego aflige uma grande parte da população e faz com que a criatividade seja a forma mais presente de tornar um serviço ou produto numa forma de sustento. No Recife esta prática é tão constante que até fico surpreso com a tamanha variedade de formas e produtos que são oferecidos e que fazem a festa das pessoas e principalmente das crianças que são os maiores alvos dos ambulantes, que vendem de tudo, desde doces ou até brinquedos a preços populares e que agradam pelos olhos, embora tenham pouca utilidade e desgaste quase que imediato.
Outro dia estava no teatro e fiquei observando uma senhora que estava na fila da frente. Fiz um cálculo rápido e conclui que ela tinha gastado mais de R$ 150,00 com as entradas para o espetáculos, pipocas, brinquedos e outros mimos que estavam sendo vendidos na porta do teatro, já que ela foi simplesmente com 04 crianças e todas elas estavam devidamente ornamentadas e alimentadas com os itens que estavam sendo vendidos.
Não precisava daquilo tudo, mas a satisfação das crianças era maior que o furo no bolso e o brilho das ruas se transformou em brilho nos olhos, fazendo aquela tarde inesquecível e cheia de risos e boas lembranças. No meu tempo, os brinquedinhos de rua se limitavam aos cataventos e bolinhas revestidas com plástico. Hoje é bem mais diferente e os preços assustam em alguns momentos, já que dependendo da quantidade e do dengo das crianças, o prejuízo é bem mais catastrófico.
O que acho errado neste brilho todo são os preços abusivos que alguns vendedores cobram e terminam criando uma inflação errada de itens que não seriam nem lembrados em outras ocasiões e se não contassem com o apelo dos parques e espaços públicos, onde a criançada se aglomera e faz a festa patrocinada pelos pais, que nem sempre teriam tais disponibilidades para esses momentos.
Tempo bom que a pipoca era baratinha e não nos causava um furo tão grande no bolso...

0 comentários:

Postar um comentário