domingo, 12 de junho de 2016

Enredeira

Criar histórias é mania que muita gente tem e com isso terminam comprometendo muitas vidas, tamanha é a capacidade de ficarem falando o que não devem, de forma descontrolada e sem se preocupar com as consequências que isso irá causar. O pior é que muita gente termina gerando transtornos na vida alheia e nas suas também, pois nem percebem que o mal causado aos outros é algo que não o abandonará tão cedo porque histórias mal contadas sempre geram muita discórdia e margens para muitas interpretações e falatórios.
Na vida pessoal, no trabalho e em vários outros aspectos sociais temos acesso a este tipo de gente e dessa forma já percebemos como é difícil conviver com estas atitudes que nunca abandonam a capacidade humana e faz com que muitas pessoas sejam vistas como não confiáveis para determinadas ações que iremos ter durante a vida.
Imagine ter uma pessoa enredeira numa atividade profissional que exija grande sigilo e discrição?
É o fim... Tudo estará perdido e as piores respostas poderemos obter das situações corriqueiras, as quais em outras situações e nas mãos de outras pessoas, mais comprometidas com a verdade, não teriam tanta gradação, só gerando o que não presta.
Parece que ninguém gosta de contar uma história como ela realmente deve ser e criar uma situação mirabolante termina sendo uma obrigação na imaginação da maioria e, principalmente, na cabeça daqueles que já possuem uma tendência natural ou social de aumentarem as histórias ou contá-las do seu jeito pessoal, muitas vezes com diferenças extremas e sem o mínimo de lógica.
Saber exatamente o que falar é muito bom para todos e só nos ajuda a conseguir bons resultados nas nossas ações, seja em que aspecto for. Falar realmente o que sabemos e contar o que de fato aconteceu não deve ser uma atividade hipotética e sim uma prática real nas nossas vidas, pois somente assim teremos mais sucesso no que desejamos e seremos vistos com mais integridade por aqueles que nos cercam, gerando um clima de confiança que nunca irá acabar.

0 comentários:

Postar um comentário