quarta-feira, 18 de maio de 2016

Mais é Mais, Menos é Menos

Essa história de que o menos é mais nem sempre dá certo em alguns aspectos da nossa vida e por mais que tentemos enganar a nossa mente, perceberemos que a dosagem certa é o melhor remédio para entendermos que o ajustamento é a saída para conter os excessos ou as deficiências que enfrentamos diariamente.
Se gastamos mais, fica claro que mais endividamento acontecerá e nem precisamos de um especialista para nos ensinar isso, pois a lógica é tão serena quanto um céu azul num final de tarde. O que passa dos limites só deve ser considerado na hora de criarmos um conceito sobre determinadas ações ou para formalizar um estilo que serve apenas de inspiração e não precisa ficar constantemente nos influenciando e fazendo acontecer com os nossos pensamentos e ações.
Quando deixamos para trás as oportunidades que nos são apresentadas, percebemos que os esforços vindouros nos causarão uma grande e desgastante forma de agir, gerando arrependimento e desgaste físico e mental sem que isso necessariamente se transforme em resultado pleno.
Quando agimos com mais cautela, vendo onde realmente precisamos ter isso ou aquilo, nossa existência passa por melhorias grandiosas e assume um papel de destaque, obtendo ótimos sucessos e nunca permitindo que a descontinuidade seja uma constante e perseguidora influência.
É complicado saber o que é mais ou menos e achar o ponto de equilíbrio no que realizamos se torna mais complicado do que terminar as ações propriamente ditas, sejam elas com excesso ou sem muita constância. A experiência vai nos mostrando as saídas e aprendizados para o que iremos realizar, criando uma durabilidade maior e que nos fará perceber a importância de uma boa observação e planejamento prévios.
Excessos e diminuições só potencializam a nossa capacidade de enlouquecer por pouco, muito pouco...

1 comentários:

Marleide Angélica disse...

Falar sobre equilbrio,excessos e ponderação ao meu ver entra também no chamado Juízo de valor que é um julgamento feito a partir de percepções individuais.No meu caso por exemplo amo fazer trilhas e afins.Porém quando questionada por conhecidos sobre valor dizem poxa isso tudo... Mas os mesmos gastam quase R$1.000 em uma calça Jeans.Eu não faço trilha todo dia.Já eles compram quase sempre pois exterminam os limites de cartões de crédito com coisas que apesar de não serem necessárias no momento, para eles é valioso ter.Porém há excessos.Como você diz no texto: meu estilo serve apenas de inspiração eu não preciso ficar constantemente sob influência dele.Este foi só um exemplo bem digamos popular de exemplificar um pouco o tema.Por que equilíbrio ,excessos e ponderação há em todos os aspectos da vida.

Postar um comentário