segunda-feira, 30 de maio de 2016

30 x 1

A violência contra a mulher não tem limites mesmo e a notícia do estupro coletivo que uma adolescente de 17 anos sofreu nesta semana só mostra uma realidade que todos nós já sabíamos muito bem: O homem é um bicho!
É um bicho selvagem e sem capacidade de viver bem em vários aspectos da vida cotidiana, pois gera violência, sujeira, destruição e muita discórdia por nada, nunca dialogando de forma civilizada quando mais precisa fazer isso. O choque de civilizações no Brasil nos faz perceber que a sociedade é capaz de tudo, ainda mais nestes tempos de comunicação ágil e movida pelas redes sociais, quando as pessoas perdem a noção do que compartilhar e terminam gerando uma desordem geral na consciência de todos.
Há quem ache estranho, bonito, normal...
Não é sadio expor a dignidade humana por nada e nem ter isso como troféu, como se o ato tivesse que ser idolatrado pelos demais ou até visto como aceitável, já que o machismo da grande maioria da sociedade ainda vê alguns grupos como vulneráveis e totalmente merecedores de determinadas afrontas.
A adolescente que sofreu o abuso sexual foi vítima de um grupo de marginais que não sabiam o mal que estavam fazendo para ela e nem para eles mesmos, pois certamente usaram e abusaram da sorte quando praticaram o ato libidinoso e inseguro, digno dos animais mais selvagens.
Foi um jogo injusto, onde o placar de 30 x 1 mostrou a vulnerabilidade de uma pessoa que não teve como se desfazer das atrocidades cometidas por um bando de donzelos que queriam somente mostrar a virilidade masculina por nada e sem nenhum tipo de cuidado. 
O que podemos esperar de uma sociedade assim?
Será que é certo termos que aguentar isso por muito tempo?
Fico abismado a cada dia com o poder do homem e do que ele é capaz de fazer nessa vida tão complicada e que nem merece a nossa análise com profundidade, já que isso poderá nos levar para tão longe que emergir será tarefa difícil de ser conseguida.
Estamos no fundo do poço mesmo...

0 comentários:

Postar um comentário