sexta-feira, 27 de novembro de 2015

E Se...

E se eu tivesse feito isso?
Essa é uma das frases que escutamos sempre ou pelo menos pensamos em alguns instantes dos nossos dias e serve para manter viva na nossa consciência aqueles desejos não realizados, seja por medo, insegurança ou por preguiça.
Se pararmos para pensar na imensidão de coisas que deixamos de realizar pelos motivos que citei, iremos verificar como a nossa vida é cheia de oportunidades, as quais ignoramos sem que um pouco de atenção seja dada no momento certo.
Ficamos pensando se a hora é adequada ou se a pessoa que iria receber a nossa ação é merecedora do ato, mas nem sempre essa resposta vem no tempo hábil e ficamos com muitas realizações por fazer, recebendo somente o gostinho do arrependimento e da falta de atitude.
Melhor do que ficar pensando nas possibilidades, é ter a certeza dos nossos atos, mesmo que estes não sejam tão satisfatórios como esperávamos. É bem melhor estarmos pensativos sobre o que fizemos do que refletirmos sobre a ausência das realizações, evitando que a nossa mente seja consumida por arrependimentos e dúvidas sobre os assuntos que não param de nos atormentar.
É próprio do ser humano ter dúvidas em tudo que faz, mas com o passar do tempo vamos criando segurança naquilo que fazemos porque as ações, se forem praticadas, vão se tornando mais comuns e conhecidas por nós, o que gera menos dúvidas na hora da escolha e do caminho a seguir. Se nunca nos dermos a oportunidade de arriscar, ficaremos despreparados para a tomada de decisões e jamais faremos algo com segurança e de uma forma construtiva, fazendo com que as incertezas sejam nossas maiores companheiras, nunca nos deixando viver em paz e com menos problemáticas na nossa mente.
Algumas dúvidas são normais, mas outras somos nós que criamos ou trazemos para o nosso meio. É desse mal costume que temos que nos afastar e deixar de lado a insegurança desnecessária e que só nos atormenta por nada.
E se...
E se eu tomasse uma atitude e não esperasse tanto?
Certamente minha resposta seria outra, não é?

0 comentários:

Postar um comentário