quinta-feira, 25 de julho de 2013

Qual o seu Sonho?

A surpresa de hoje no Festival de Inverno de Garanhuns foi o espetáculo "Sonhos", no pavilhão de dança, o qual trouxe o melhor do Hip Hop e da dança, com um grupo animado e feliz nas suas escolhas musicais e coreografias, que remetiam a uma palavra tão comum na vida de todos nós, que é o sonho. Algo tão almejado e muitas vezes idealizado, quase inatingível, mas sempre presente nas nossas vidas, pois se algum dia o deixarmos de lado, estaremos esquecendo a nossa própria existência e dos nossos desejos mais supremos e que nunca devem cair no esquecimento. Se para alguns sonhar é bobagem, para outros não. O sonho alimenta ideias, sendo também o combustível de muitas realizações grandiosas da humanidade, que partiram do pensamento além da realidade ou fora dos padrões de muitas pessoas que acreditavam que poderiam ir bem adiante, mesmo quando todas as possibilidades mostravam que não era possível.
Durante o espetáculo o meu sonho foi derrubar a menina que ficava filmando o espetáculo bem na frente do palco e tirava a visão das pessoas. Acho que ela não percebeu o que estava fazendo, tornando o "sonho" do espetáculo num pesadelo sem fim. Bastava que a danadinha ficasse numa altura mais baixa para não incomodar ninguém e conseguir o seu objetivo, mas ela não fez isso e terminou criando uma sombra em todas as fotos que eu e maioria das pessoas registrou. 
Muitas vezes o sonho pode ser algo pequeno, simples de resolver, mas quando ele é bem maior do que as nossas possibilidades, ficamos sem ter como saber quando e como iremos realizá-lo e se realmente será possível a sua obtenção, já que há mais dificuldades do que possibilidades. Eu sempre insisto que o sonho é sonho e deve ser visto como possível, independente da grandiosidade e dificuldade, o que não podemos, claro, é deixar de alimentar essa remota realidade, pois se assim fizermos, o que era um pensamento bom termina se tornando uma frustração do tamanho do mundo, sendo a nossa inércia a maior responsável por esta desgraça.

0 comentários:

Postar um comentário