sexta-feira, 21 de junho de 2013

Pobremaço!

A troca de letras na pronúncia ou escrita de algumas palavras é algo que acomete muita gente e termina sendo uma falta de atenção para muitas pessoas que não percebem pequenos detalhes e ficam falando errado sem necessidade.
Outro dia liguei para uma empresa e perguntei o nome do atendente, ele me falou: "É Cróvis".
Certamente o nome era "Clóvis" e ele nem sabia direito falar o próprio nome. Há, numa empresa que conheço, uma pessoa que fala "pobrema" e algumas vezes "pobremaço" quando a coisa é feia demais aos olhos dele. Problema é perceber que as pessoas que falam isso são até instruídas e cursaram níveis consideráveis de educação.
No caso do "pobremaço" ele é universitário.
Outro dia um colega de classe escreveu "saio" ao invés de "saiu". Eu achei o cúmulo da falta de atenção para uma pessoa que cursa o 6o. período do curso de Direito. Será que numa petição ele irá escrever errado assim?
Se for, poderá colocar em risco os processos que estiver comandando, pois uma palavra mal escrita ou mal interpretada pode gerar transtornos grandes para ambas as partes e causar prejuízos judiciais sem fim.
A fala possui seus sotaques, claro, mas a escrita tem que ser correta e não podemos ficar errando palavras simples com erros grosseiros e inadequados ao perfil de muitas pessoas que convivem conosco.
Uma vez um gerente de uma empresa que eu trabalhava escreveu assim "Duque se trata?" Eu pensei.. Pensei... e depois percebi que ele queria escrever: "Do que se trata?" A primeira impressão minha foi pensar quem era o "Duque" que ele estava querendo citar.
Nem sempre os erros são por descuido e muitas vezes são por ignorância mesmo, pois o nível educacional da maioria das pessoas é baixo demais e aliado a uma leitura limitada dos livros que a vida nos oferece, o problema se torna ainda maior. Mesmo que não tenhamos uma educação além da conta, se temos o costume de ler, já vamos acumulando experiências e aprendendo como se escreve corretamente para que na hora adequada possamos usar as palavras ordenadamente e não ficar passando vergonha com a divulgação de frases e textos cheios de erros.
Nas redes sociais isso é muito comum e muitas vezes nem entendemos o que as pessoas querem falar porque a quantidade de erros é tão grande que afeta qualquer entendimento, seja qual for o assunto. O pior é quando utilizam a linguagem virtual, que engole letras e retira acentos das palavras, os substituindo por vogais ou consoantes.
É um problema sem fim, mas temos que tratar.
"Pobremaço" é ficar achando bonito tantos erros e não prestar atenção aos detalhes para correção de tantas afrontas ao nosso vocabulário.

0 comentários:

Postar um comentário