sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Buika

Gosto de cantoras fortes, com personalidade. Foi isso que me despertou a voz da artista Concha Buika, ou simplesmente Buika.
A primeira audição que tive foi no filme “A pele que Habito” e desde então comecei a procurar por ela na internet até que encontrei a sua discografia e um pouco da sua trajetória de sucesso.
Ela mistura um pouco do jazz e flamenco e tem na sua nacionalidade espanhola o sangue quente para interpretar ótimas canções de amor, com voz afinada e coração aberto para o sentimento. É um prazer escutar suas músicas e todas as variações musicais são muito bem distribuídas, tornando cada canção um aprendizado constante da arte e da música de qualidade.
Buika canta com a força de uma mulher que carrega muito sentimento no peito e deixa que isso seja a chave para abrir as diferentes sonoridades que temos acesso hoje em dia. A música espanhola é bem parecida com a brasileira, pois traz consigo o calor e a libido que todos nós já conhecemos. É como provar um alimento com suaves toques de pimenta e fazendo com que a nossa boca sinta o gostinho diferenciado, criando todo o impacto necessário para que fiquemos arrebatados e cativos do ritmo que nos envolve e nos faz ficar viajando de tanta emoção musical.
É bom escutarmos as vozes dos cantores e quando elas são femininas isto se torna ainda mais perfeito, pois a mulher tem o dom de passar mais emoção nas suas interpretações, seja pela sua sensibilidade ou pela maneira afetuosa que encaram suas produções musicais. Poucos homens conseguem isso.
Vou deixar aqui no blog a música “Olhos Verdes”, que é uma das minhas preferidas.

Ojos Verdes

Y "apoyá" en el quicio de la mancebía
Miraba encenderse la noche de Mayo
Pasaban los hombres y yo sonreía
Cuando ante mi puerta paraste el caballo.
Serrana, me das candela y yo le dije gaché
Ven, y toma de mis lábios que yo fuego te daré
Dejaste el caballo y lumbre te di
Y fueron tus ojos dos luceros verdes de Mayo pa mi
Ojos verdes, verdes como la albahaca
Verdes como el trigo verde
Y al verde, verde limón
Ojos verdes, verdes con brillo de faca
Que se han clavaito en mi corazón
Pa mi ya no hay soles, luceros ni luna
No hay mas que unos ojos que mi vida son
Ojos verdes, verdes como la albahaca
Vimos desde el cuarto despuntar el dia
Y sonar el alba en la torre la Vela
Dejaste mi cuerpo cuando amanecia
Y en la boca un gusto de menta y canela
Morena para un vestio yo te voy a regalar
Yo te dije estas servio
No me tienes que dar na
Subiste al caballo
Te fuiste de mi
Y nunca otra noche mas bella de Mayo
He vuelto a vivir

0 comentários:

Postar um comentário