sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Quero, Não Quero...

Geralmente quando publico algumas trilhas que faço, recebo muitas solicitações de amigos interessados em fazer e sempre termino encaminhando os passeios para que eles também participem, já que, supostamente, viram e gostaram, motivando o pedido de inclusão.
O engraçado são as respostas que me escrevem quando mando os convites para as trilhas, pois aqueles interesses de antes se transformam rapidinho em desculpas para evitar o passeio, deixando de lado todo aquele interesse que até então existia.
É aquela velha história: Vamos marcar; vou pensar; vou ver; vou analisar...
O resultado geralmente é que terminam nunca indo e ficam só na vontade e a cada passeio novamente ficam pedindo informações sem nunca tomar a atitude de realmente ir e enfrentar a aventura. 
Quem quer realmente fazer algo, só precisa de uma dica simples e termina correndo atrás do que deseja. Quem fica sendo adulado o tempo todo para fazer algo, termina não realizando nada e fica só com aquela conversa mole para boi dormir.
Se quer mesmo realizar algo, faça com gosto e não com dúvidas, pois muitas das nossas tristezas e arrependimentos residem na falta de atitude de dar o primeiro passo, vencendo a nossa falta de disposição para tudo. Não vou nem dizer que é falta de dinheiro, pois quando realmente queremos, sempre deixamos uma reserva para algo que gostamos.
A resposta disso é o dinheirinho sempre disponível para a cervejinha, festinha, espetinho ou caldinho na praia, mesmo quando a crise está feia e acomete nossos bolsos furados do cotidiano injusto e que nos mina cada dia mais.
Quando quero fazer algo, vou em frente e testo a minha capacidade para ver se é aquilo mesmo que gosto ou não. Se for realmente válido, insisto. Se não gosto, não invisto mais. O que acontece com a maioria das pessoas é a falta de investimento e isso não está relacionado com dinheiro, tem ligação com a disponibilidade, com a atenção.
Não investir tempo e atenção em determinadas coisas que esquecemos ou deixamos de lado por muito tempo pode ser a desculpa que sempre encontramos para nunca dar um passo à frente e permanecer fazendo a mesma coisa, normalmente da mesma forma. 
O novo não aparece se estivermos fazendo o mesmo caminho todos os dias e se uma mudança de opinião ou atitude não for realizada num dado momento das nossas vidas. Trilhar novos caminhos, seja em que aspecto for, é essencial e necessário para o nosso sucesso e felicidade, ainda que isso possa nos causar um frio na barriga ou um desconforto momentâneo que só será elucidado com o conhecimento dos novos fatos e evidências que nos privamos de desbravar e olhar com outros sentimentos.
Quer mesmo? Tem certeza?
Talvez não queira e esteja só jogando conversa fora... 
Na maioria das vezes é essa conversa fiada que nos tira a consistência do que fazemos e nos faz perder a credibilidade perante as pessoas que nos cercam e que acreditam nas nossas intenções e desejos. 
É bem melhor calar e não inflamar quando o desejo por algo não é verdadeiro. Agindo assim, a satisfação será elevada a cada nova conversa mantida durante a vida.
Se quer, venha!  Se não quer, é melhor ficar quieto...

0 comentários:

Postar um comentário