sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Quando eu era Criança...

Quando eu era criança sonhava em ser adulto, mas hoje vejo que o tempo passou rápido demais e não tive tempo de entender completamente o real sentido da vida. A cada passo que dou aprendo mais e percebo que os adultos não passam de "crianças grandinhas". Alguns mais evoluídos, outros nem tanto... 
Lá se vão 40 anos...
Percebo olhares diferentes perto de mim, alguns de discórdia, outros de inveja, mas a maioria de admiração, ainda bem. Grandes momentos já vivi e sei que ainda irei passar por muitos outros, já que a vida não para nunca de evoluir e de contribuir com a nossa evolução diária. Não se pode esperar muito das pessoas, ainda mais quando elas não tiveram a oportunidade de aprender o essencial da vida, que é a educação e o respeito ao próximo. A maioria só engana, reclama e não entende nada da forma como deveria. Muitas vezes pensamos que falamos outra língua ou as nossas atitudes são irreais demais para serem compreendidas e vistas de boa forma.
Aprendi nesses 40 anos de vida que envelhecemos mais se não cuidarmos da nossa vida, deixando a dos outros de lado. Descobri que alimentação correta nos faz mais jovens e mantém o nosso corpo em forma sem que adotemos a aparência desgastada e gorda que geralmente encontramos nos mais descuidados e adeptos das comilanças e bebedeiras sem limite.
O mais engraçado é notar que parecemos estranhos quando agimos de forma adequada e que a maioria das pessoas só pretende nos levar para o buraco, de onde não temos condição nenhuma de emergir e enxergar a luz que nos ilumina a cada dia. O mês de Agosto começa, termina e nem tudo muda. O fato de estarmos completando idade nova só nos faz pensar diferente para algumas coisas e igualmente para muitas outras. Nem percebemos as rugas e cabelos brancos chegando e quando nos damos conta já estamos parecendo um maracujá seco com cabelos de milho, ralos e de cores diversas.
Quando pisamos confiantes e precisos, entendemos que a vida merece ser vivida sempre e que nada é em vão se tivermos a certeza de que o mais importante é acreditar em nós mesmos e nas nossas aptidões e desejos, mesmo que estes sejam incompreensíveis para a maioria das pessoas. 
Vamos viver 40, 50, 60, 70, 80, 90, 100...
Quem sabe um dia aprendemos o que a vida realmente quer nos mostrar.  
Quando descobrirem, me avisem, por favor.

0 comentários:

Postar um comentário