sábado, 1 de outubro de 2011

Terra de Ninguém


Jaboatão dos Guararapes é uma cidade populosa, cheia de indústrias, comércio variado, hotéis de luxo, praias e grande concentração de riqueza. Infelizmente todas estas características não fizeram dela um local adequado para uma vida confortável e segura.
As ruas são cheias de buracos, o trânsito é caótico, não há organização para nada e tudo funciona de qualquer forma, como se estivéssemos num país onde as pessoas não se entendem e todos falam línguas diferentes e complicadas, impossibilitando o desenvolvimento de uma comunicação mais eficaz e sadia.
Se passarmos por um bairro como Prazeres, teremos a noção da loucura que impera na cidade, pois tudo lá é descontrolado e as obras viárias que já duram quase dois anos nunca terminam e fazem com que o simples ato de transitar por ali se torne um momento de agonia e muita, muita demora.
Outra bronca sem fim é quando passamos perto da estação Porta Larga, pois as ruas estreitas não comportam os desvios que foram feitos e os acessos que antes eram de mão única, agora são duplos, triplos, infinitos. Aliados aos motoristas ruins e que não respeitam nada, isso se torna algo ainda mais terrível e faz com que todas as pessoas que são obrigadas a passar por lá diariamente sofram as consequências danosas da desorganização.
Não quero nem lembrar do inverno, pois nessa época as pessoas e os carros literalmente nadavam e tinham que fazer mágica para conseguir trafegar com um pouco mais de tranquilidade, se é que esta palavra é admissível para esta cidade.
Moro no Recife há alguns anos e vejo evolução em todos os lugares, menos em Jaboatão.
Ela tem destaque no Estado e nacionalmente, mas continua sendo uma cidade cheia de problemas e não se organizando para poder merecer o título de uma das cidades mais importantes da Região Metropolitana do Recife. Lembro quando inauguraram o Shopping Guararapes e como era caótica a situação nas redondezas, pois construíram o centro de compras num mangue e para entrar nele tínhamos que disputar o espaço com a lama. A realidade hoje é um pouco melhorada, mas saliento que somente esta área foi a que realmente sofreu melhorias na cidade, pois os outros bairros continuam na mesma desordem e se você for para o centro da cidade verá que ele ainda não acordou para a realidade e continua com o mesmo cheiro de esgoto de anos atrás.
Uma vez fui conhecer um conjunto habitacional no bairro de Piedade e fiquei impressionado com a falta de organização das ruas sem calçamento e saneamento básico, o que me fizeram desistir de morar naquela cidade e ficar mesmo na cidade do Recife. Naquele tempo, tinha pensado em optar por Jaboatão, pois ficava mais próxima do meu antigo trabalho, mas noto que fiz a escolha certa em sair de fininho desta cidade que só tem problemas e aos poucos está tendo alguns dos seus bairros engolidos pelo mar.
Hoje o bairro de Barra de Jangada está até mais arrumadinho, pois com a construção do Complexo do Paiva, algumas atitudes tiveram que ser tomadas para não colocar em risco os grandes investimentos residenciais e comerciais que estão sendo feitos nas áreas próximas ao bairro.
Nenhum prefeito dá certo na cidade e só escutamos rumores de desvio de verbas, intervenções, obras superfaturadas e outras loucuras mais.
Terra de ninguém se chama Jaboatão e seu título mais recente foi concedido esta semana quando foi classificada como a segunda cidade no Brasil e a ter o pior sistema de saneamento básico.
Uma vergonha...
Vamos fazer uma reza forte para Nossa Senhora dos Prazeres, a padroeira da cidade, para ver se isso melhora.
Aliás, tem um local que adoro em Jaboatão... A igreja de Nossa Senhora dos Prazeres, no Alto dos Montes Guararapes.
Só ali temos uma visão distante das desgraças que escrevo aqui. 
Lá o vento sopra melhor e afasta o inferno que impera no município.

0 comentários:

Postar um comentário