domingo, 21 de agosto de 2011

Trilha - Morro do Barbado e Pedra Furada

Hoje o dia foi de belas paisagens e muita contemplação da natureza. Saímos logo cedo para a cidade de Venturosa e os nossos desafios do dia eram subir os Morros do Barbado e da Pedra Furada. O primeiro teve a escalada mais demorada e cheia de atropelos pelo caminho, mas ao final pudemos admirar a natureza e o nosso próximo destino, a Pedra Furada.
A subida foi tranquila, mas não fui até o topo, pois achei perigosa a subida e achei melhor não arriscar, já que não tinha muito apoio para as mãos e pés numa pedra extensa e muito inclinada. Do lugar que consegui chegar, a paisagem era a mesma e não fiquei triste por isso. Cumpri 98% da minha tarefa. Na descida levamos vários escorregões e um desses ocasionou a queda de uma amiga, Zeneide, que teve o pulso fraturado e alguns ligamentos danificados. Pela queda que ela levou, eu pensei que seria algo bem pior...
Foi tão chocante a queda que eu quando vi a cena, virei o rosto para não ver o final daquele momento trágico. Ela foi atendida por outra colega que trilha que é enfermeira, Ivanilde, e após um mal estar e uma tontura ela seguiu o seu caminho como boa aventureira que é. Melhor seria que este fato não tivesse acontecido, mas ainda bem que não lhe causou maiores danos à saúde.
Passamos por uma paisagem árida, mas verde, já que as chuvas que caíram nos últimos meses fizeram da área um local mais vivo, retirando um pouco do aspecto do sertão.
A escalada da Pedra Furada é leve e pode ser feito por qualquer um, já que a prefeitura fez uma escadaria de pedras para facilitar a vida das pessoas que desejam ir ao local. A vista dos dois mirantes são belíssimas e faz muito frio lá em cima, ainda mais nessa época de agosto onde naturalmente a natureza se encarrega de nos enviar ventos mais fortes e frios.
A missão foi cumprida e retornamos ao Recife para descansar. Gostei muito do local e já tinha curiosidade de visitar há algum tempo, pois sempre desejava ver de perto a pedra furada com todo o seu equilíbrio, já que ficamos imaginando como uma formação rochosa daquelas consegue ficar de pé. É bem interessante o formato e de alguns ângulos podemos notar como ela se afina em um dos seus extremos.
A viagem nos ensina muito e posso a cada trilha aprender um pouco mais sobre trabalho em equipe, paciência, coragem, desafio, organização, planejamento e disposição.
Disposição é o ingrediente maior, pois depois de uma semana de muito trabalho, enfrentar uma caminhada dessas é algo que não agrada a muitos. Eu gosto e este é um dos meus passatempos favoritos.
Até a próxima...

1 comentários:

Zeneide Leal disse...

Oi meu lindo, amei o seu comentário, ele descreve todo nosso percurso e td o aprendizado de sermos irmãos em trilhas, vou melhorar e voltar p concluir o q n fiz, bj, te amo...

Postar um comentário