sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Licença para Vadiar

“Dona da casa me dê licença, me dê seu salão para eu vadiar...”
Hoje gostaria de falar sobre as permissões que diariamente concedemos e pedimos às pessoas e também refletir um pouco sobre como isso nos influencia ou nos causa transtornos, já que nem todos sabem até onde podem ir ou o que devem conceder num determinado local.
Todas as vezes que permitimos algo é porque fazemos isso de bom coração, mas se isto se torna uma obrigação, esta relação fica complicada e as pessoas terminam criando situações de conflito entre si por não suportarem a invasão a que são submetidas e que causa constrangimento e certa indignação, dependendo do momento vivenciado e que será importante para estreitar ou separar os relacionamentos.
Jamais devemos invadir espaços sem permissão e isso vale para a nossa vida pessoal, pois ninguém tem o direito de ficar bisbilhotando o que não deve da vida de ninguém e muito menos usar estas informações para difamar e causar situações ruins e que irão fazer com que muitos relacionamentos desfeitos jamais possam ser reconstruídos por ser tamanha a decepção e desaprovação das atitudes tomadas por aquele que se achou “o dono do pedaço” e terminou fazendo o que não devia.
Caetano disse em uma das suas músicas assim:
(...) minha mãe me disse para eu sempre pedir licença, mas nunca deixar de entrar (...)”
Isso é muito verdadeiro.
As pessoa que não recebem desde cedo a educação necessária para entenderem até onde podem ir e quais são os limites que devem ter e por isso se transformam em pessoas extremamente desprovidas de senso de realidade e terminam não enxergando o que realmente é cabível ou não. Acham que podem fazer tudo, dizer tudo, invadir qualquer lugar, serem inconvenientes a qualquer hora e com isso criar uma imagem cada vez mais distorcida de si mesmos, favorecendo os entendimentos errôneos e as problemáticas do cotidiano.
Quem não tem noção de si mesmo jamais terá uma percepção do que pode ou não fazer e dos limites que são necessários para a vida humana. Se não há possibilidade de se observar, como irão perceber o que é real ou imaginário, correto ou incorreto, permitido ou totalmente proibido?
Não gosto de invasões, sejam elas de privacidade, de pensamentos ou de propriedade. Viola o meu direito como indivíduo e como pessoa que tem o poder de escolher como quer direcionar os seus caminhos nesta vida já tão cheia de equívocos.
Abaixo o MSN – Movimento dos Sem Noção!!!
Minha propriedade material ou imaterial pertence somente a mim e a mais ninguém...
Aqui ninguém vai vadiar sem a minha permissão.

0 comentários:

Postar um comentário